Archive | February 2013

Um conhecido cientista diz o darwinismo não sabe o que é a macro-evolução

Sem palavras…

perspectivas

Um dos mais conhecidos químicos em todo o mundo, o professor James M. Tour, escreveu que não há nenhum cientista que tenha uma mínima ideia do que consiste a macro-evolução. O filósofo Eric Voegelin chegou à mesma conclusão através de um conceito simples: “a evolução (darwinista) é um mito, porque é impossível explicar a mutação das formas”.

Uma coisa é a micro-evolução, que não é aleatória mas antes é racional, e que consiste na adaptação progressiva dos seres vivos ao meio-ambiente (procura de “nichos” de sobrevivência). A micro-evolução é não só racional como é até evidente. Outra coisa, bem diferente, é a macro-evolução e a tentativa cientificista de a deduzir e extrapolar a partir da micro-evolução. O artigo (em inglês) merece ser lido.


A partir de um determinado ponto, em que a experiência e/ou a matemática não podem sancionar a teoria, a ciência passa a ser uma…

View original post 155 more words

Que vazio!

Da janela vejo um tempo escuro e frio. Faz-me lembrar como eu me sinto: tenho um vazio interior difícil de descrever… Nem consigo pensar. Bem, a realidade é que está a anoitecer. E amanhã vai voltar a amanhecer. Da mesma maneira, eu espero que um dia a minha escuridão desapareça e eu consiga VIVER mesmo e não apenas existir…

A minha história espiritual

Até aos meus tempos de universidade, eu nunca duvidei muito em matéria de fé. Era católica e entre altos e baixos cheguei mesmo a ser crismada em Dezembro de 2008. Mas depois de ter um ataque de pânico em Abril de 2010 que me durou quase um ano inteiro resolvi largar definitivamente o deus cristão em 2011, porque ele se tinha tornado uma espécie de “Big Brother” cuja presença eu sentia e me provocava terror devido à sensação de que estava a ser vista e ouvida a todo o momento. Os últimos meses de 2010 foram marcados por este medo imenso.

Eu pedia ajuda mas ele não só não me ajudava como me aterrorizava ainda mais. Acabei por me confessar em Janeiro de 2011 e o pior passou, mas em Março seguinte soube da protecção que os senhores lá de Roma davam à padralhada pedófila e aliando isso à raiva que me dava a hipocrisia deles, que falam de austeridade e moderação mas vivem no maior dos luxos, resolvi bater com a porta.

Agora ando à procura do meu próprio caminho, que inclui elementos de todas as religiões (bem, quase todas!). Estou conectada à Grande Mãe Natureza e acho que tudo Nela é sagrado, mas sobretudo o oceano, a fonte primordial de onde surgiram as primeiras formas de vida há uns 4 biliões de anos.

Aceito a teoria da evolução, as leis da Física e o Big Bang, não acredito em extraterrestres na Terra e gosto de algumas divindades, mas confesso que me é muito fácil falar com uma árvore ou a água!

Agora, é preciso continuar a evoluir!

Clausura indesejada

Ora bem, por onde hei-de começar? Talvez comece por falar do que me levou à vida de clausura que levo contra a minha vontade.

Até terminar o bacharelato, em Outubro de 2005, eu até andava muito ao ar livre (embora evitasse as visitas de estudo há anos) mas depois dessa data comecei a viver muito enclausurada por não conseguir arranjar emprego. A coisa piorou depois de completar a licenciatura, em Novembro de 2008.

Tenho habilitações literárias que não me estão a valer de nada (ainda por cima na área da Administração Pública!), certamente por não ser sócia de nenhum partido e não andar a bajular ninguém. Nem escondo a aversão que tenho aos políticos. Por isso ando com uma depressão difícil de descrever… :(

Introdução

Por onde hei-de começar? Bem, posso dizer tenho uma licenciatura nem eu sei para quê porque não consigo arranjar emprego, e sinto-me perdida no nevoeiro (daqui o título do blog!). Espiritualmente, ando à procura da minha própria fé e tenho crenças de uma data de espiritualidades.